Glossário

acelerador financeiro
Mecanismo pelo qual a capacidade das firmas e famílias de tomar empréstimos aumenta quando o valor do colateral com que se comprometeram com o credor (em geral um banco) aumenta.
ação
Parte dos ativos de uma firma que pode ser comprada e vendida. Uma ação dá a seu titular o direito de receber parte do lucro da firma, e de se beneficiar quando o valor dos ativos da empresa aumenta. Também conhecida como: ação ordinária.
ações ocultas (problema das)
Ocorre quando alguma ação tomada por uma parte em uma troca não é conhecida ou não pode ser verificada pela outra. Por exemplo, o empregador não pode saber (ou não pode verificar) com quanto afinco o trabalhador que contratou está realmente trabalhando. Também conhecido como: risco moral. Ver também: atributos ocultos (problema dos).
alocação
Descrição de quem faz o quê, as consequências de suas ações e quem obtém o quê como resultado.
altruísmo
Disposição de arcar com um custo para beneficiar outras pessoas.
arbitragem
Prática de comprar um bem a um preço baixo em um mercado para vendê-lo a um preço mais alto em outro. Os operadores de mercado que fazem a arbitragem tiram vantagem da diferença de preços de um mesmo bem entre dois países ou regiões. Enquanto os custos de comércio estiverem abaixo da diferença de preços, eles lucram. Veja também: diferencial de preços.
ativo
Qualquer coisa de valor que se possua. Veja também: balanço, passivo.
ativo específico da firma
Algo que uma pessoa possui ou pode fazer cujo valor é maior na empresa em que a pessoa se encontra do que na sua melhor alternativa subsequente.
atributos ocultos (problema dos)
Ocorre quando algum atributo da pessoa envolvida em uma troca (ou o produto ou serviço oferecido) não é conhecido pela outra parte. Um exemplo é a pessoa que compra seguro de saúde e conhece seu próprio estado de saúde, mas a companhia de seguro não. Também conhecido como: seleção adversa, ações ocultas (problema das).
autosseguro
Economias de uma família para poder manter seu consumo quando houver uma queda temporária na renda ou para custear um gasto maior.
auxílio-desemprego
Transferência de recursos do governo recebida por uma pessoa desempregada. Também conhecido como: seguro-desemprego.
avaliações procedimentais de justiça
Avaliação de um resultado baseada em como a alocação foi determinada, não nas características do resultado em si (por exemplo, sua desigualdade). Ver também: avaliações substantivas de justiça
avaliações substantivas de justiça
Avaliações baseadas nas características da alocação em si, não em como foi determinada. Ver também: avaliações procedimentais de justiça
aversão à desigualdade
Antipatia por resultados nos quais alguns indivíduos recebem mais que outros.
balança comercial
Valor das exportações menos o valor das importações. Também conhecido como: exportações líquidas. Veja também: déficit comercial, superávit comercial.
balanço patrimonial
Registro de ativos, passivos e patrimônio líquido de um agente econômico, tal como uma família, um banco, uma firma ou um governo.
banco
Uma firma que cria moeda na forma de depósitos bancários no processo de oferta de crédito.
banco central
O único banco que pode criar base monetária. Geralmente, faz parte do setor público. Bancos comerciais têm contas neste banco, nas quais a base monetária é depositada.
base monetária ampla
Estoque de moeda em circulação, definido como a soma da moeda escritural com a base monetária nas mãos do público que não está inserido no sistema bancário. Também conhecido como: oferta ampla de moeda, moeda ampla. Ver também: moeda escritural.
bem artificialmente escasso
Bem público ao qual é possível excluir o acesso de outras pessoas. Também conhecido como: bem de clube.
bem de consumo
Bem ou serviço que satisfaz as necessidades dos consumidores por um curto período de tempo.
bem privado
Bem rival ao qual também é possível excluir o acesso de outras pessoas.
bem público
Bem cujo uso por parte de uma pessoa não reduz sua disponibilidade para as demais. Também conhecido como: bem não rival. Ver também: bem público não exclusivo, bem artificialmente escasso.
bem público não exclusivo
Bem público ao qual não se pode excluir o acesso de outras pessoas. Veja também: bem artificialmente escasso.
benefício externo
Efeito externo positivo, isto é, efeito positivo da produção, do consumo ou de outra decisão econômica sobre outras pessoas ou povos que não foi especificado no contrato como sendo um benefício. Também conhecido como: economia externa, externalidade positiva. Veja também: externalidade.
benefício marginal privado (BMP)
Benefício (em termos de lucro ou utilidade) de produzir ou consumir uma unidade adicional de um bem para a pessoa que decide produzi-la ou consumi-la, sem considerar qualquer benefício recebido por outras pessoas.
benefício marginal social (BMS)
Benefício (em termos de utilidade) de produzir ou consumir uma unidade adicional de um bem, levando em consideração tanto o benefício para quem decide produzi-la ou consumi-la, quanto o benefício para qualquer outra pessoa afetada pela decisão.
bens de capital
Fatores de produção duráveis e não relacionados ao trabalho humano que são comprados pelas firmas para serem utilizados na produção (como máquinas, plantas e instalações, etc.). Esta definição não inclui alguns insumos essenciais; por exemplo, água e conhecimento empregado no processo produtivo sem custo para quem o utiliza.
bens meritórios
Bens e serviços que deveriam estar disponíveis para qualquer pessoa, independentemente de sua capacidade de pagar por eles.
bens racionados
Bens que são alocados entre os compradores por um processo diferente do que ocorre por meio preço (isto é, por filas ou sorteios, por exemplo).
bens substitutos
Dois bens para os quais o aumento do preço de um leva ao aumento da quantidade demandada do outro. Ver também: bens complementares.
biologicamente factível
Uma alocação que é capaz de manter a sobrevivência dos envolvidos é biologicamente factível.
bolhas de preços de ativos
Aumento contínuo e significativo do preço de um ativo motivado por expectativas de futuros aumentos nos preços.
bolsa de valores
Mercado financeiro no qual ações (ou títulos) e outros ativos financeiros são negociados. Conta com uma lista das empresas que negociam suas ações ali.
capital humano
Estoque de conhecimento, habilidades, atributos comportamentais e características pessoais que determinam a produtividade do trabalho ou o rendimento do trabalho de um indivíduo. Investimento em capital humano por meio de educação, treinamento e socialização pode aumentar o estoque e tal investimento é uma das fontes de crescimento econômico. Parte da dotação de um indivíduo. Veja também: dotação.
capitalismo
Sistema econômico no qual a principal forma de organização econômica é a firma, na qual os proprietários de bens privados de capital contratam força de trabalho para produzir bens e serviços que, por sua vez, serão vendidos nos mercados com o objetivo de gerar lucro. Assim, as principais instituições em um sistema econômico capitalista são a propriedade privada, os mercados e as empresas.
capital próprio
Investimento do próprio indivíduo em um projeto. É registrado no balanço de um indivíduo ou firma como patrimônio líquido. Veja também: patrimônio líquido. Um uso totalmente diferente do termo é sinônimo de equidade.
características ocultas (problema das)
Ocorre quando alguma característica da pessoa envolvida na troca (ou do produto ou serviço oferecido) não é conhecida pela outra parte. Um exemplo é o fato de que quem compra seguro de saúde conhece seu próprio estado de saúde, mas a companhia de seguro não o conhece. Também conhecido como: seleção adversa. Ver também: ações ocultas (problema das).
carona (free ride)
Obter benefícios das contribuições de outras pessoas para algum projeto cooperativo sem dar sua própria contribuição.
cartel
Grupo de firmas que agem em conjunto para aumentar seu lucro agregado.
causalidade
Relação de causa e efeito estabelecendo que uma mudança em uma variável produz uma mudança em outra. Enquanto uma correlação é simplesmente uma avaliação de que duas coisas se movimentam juntas, a causalidade implica que há um mecanismo responsável pela associação entre elas e, portanto, trata-se de um conceito mais restritivo. Veja também: experimento natural, correlação.
causalidade reversa
Relação causal de duas vias na qual A afeta B e B também afeta A.
ceteris paribus
Os economistas buscam simplificar as análises deixando de lado o que for considerado pouco importante para a questão de interesse. O significado literal dessa expressão é “tudo o mais constante”. Em um modelo econômico, isso significa que uma análise mantém inalteradas todas as outras coisas
choque
Mudança exógena em alguns dados fundamentais usados em um modelo.
ciclo econômico
Períodos alternados de taxas de crescimento mais elevadas e mais reduzidas (ou mesmo negativas). A economia vai de um boom a uma recessão e volta ao boom. Veja também: equilíbrio no curto prazo.
ciência econômica
Estudo de como as pessoas interagem, entre si e com o meio ambiente, ao produzirem seu sustento e de como isso muda ao longo do tempo. Veja também: economia.
coeficiente de Gini
Medida da desigualdade de qualquer quantidade, como renda ou riqueza, variando de zero (se não há desigualdade) até um (se um único indivíduo recebe toda a quantidade).
Coeficiente de Okun
Mudança prevista na taxa de desemprego (em pontos percentuais) em decorrência de uma mudança de 1% no PIB. Por exemplo, um coeficiente de Okun de −0,4 significa que uma queda na produção de 1% deve estar associada a um aumento na taxa de desemprego de 0,4 pontos percentuais. Veja também: Lei de Okun.
colateral
Ativo que o devedor oferece ao credor para assegurar a devolução de um empréstimo. Se o devedor não puder cumprir com os pagamentos como prometido, o credor passa a ser o dono daquele bem. Também conhecido como: garantia.
commodities
Bens físicos negociados de forma semelhante às ações. Incluem metais, como ouro e prata, produtos agrícolas, como café e açúcar, petróleo e gás natural. Às vezes, o termo é usado de forma mais geral para se referir a qualquer coisa produzida para venda.
conjunto de possibilidades
Todas as combinações de coisas entre as quais um tomador de decisão poderia escolher dadas suas restrições econômicas, físicas ou de outros tipos. Também conhecido como: conjunto factível. Veja também: fronteira de possibilidades.
consumo autônomo
Consumo independente da renda corrente.
consumo (C)
Gastos em bens de consumo, que incluem tanto bens e serviços de curta duração quanto bens de longa duração, os chamados bens de consumo duráveis.
consumo conspícuo
Consumo de bens ou serviços com o objetivo de exibir publicamente seu status social e econômico.
contas nacionais
Sistema usado para medir a produção e a demanda agregadas em um país.
contrato
Documento legal ou entendimento que especifica um conjunto de ações que as partes do contrato devem empreender.
contrato incompleto
Contrato que não especifica, de forma exigível, cada aspecto da troca que afeta os interesses das partes envolvidas (ou de outros).
cooperação
Participação em um projeto comum destinado a produzir benefícios mútuos.
correlação
Uma associação estatística na qual conhecer o valor de uma variável oferece informação sobre o valor provável da outra, por exemplo, valores altos de uma variável sendo comumente observados junto com valores altos da outra. Ela pode ser positiva ou negativa (é negativa quando os valores altos de uma variável são observados com valores baixos da outra). Isso não significa que exista uma relação causal entre as variáveis. Veja também: causalidade, coeficiente de correlação.
corrida bancária
Situação em que os depositantes retiram recursos de um banco porque temem que ele vá à falência e não honre suas obrigações (ou seja, que não pague o que deve aos seus depositantes).
cosseguro
Meio de centralizar poupanças das famílias a fim de que uma família possa manter seu consumo quando passar por uma queda temporária na renda ou tiver necessidade de fazer uma despesa maior.
crise da dívida soberana
Situação na qual os títulos da dívida pública são considerados tão arriscados que o governo pode não conseguir tomar empréstimo. Se isso ocorrer, o governo não pode gastar mais do que a receita de impostos que recebe.
critério de Pareto
De acordo com o critério de Pareto, um atributo desejável de uma alocação é que seja Pareto-eficiente. Ver também: dominância de Pareto
curto prazo (modelo)
O termo não se refere a um período de tempo, mas ao que é exógeno: preços, salários, estoque de capital, tecnologia, instituições. Veja também: salários, capital, tecnologia, instituições, médio prazo (modelo), longo prazo (modelo).
curva de demanda
Curva que fornece a quantidade que os consumidores vão comprar a cada possível preço.
curva de eficiência de Pareto
Conjunto de todas as alocações eficientes de Pareto. Frequentemente chamada de curva de contrato, mesmo em interações sociais em que não há um contrato formal, motivo pelo qual evitamos o termo. Ver também: eficiente de Pareto.
curva de indiferença
Curva dos pontos correspondentes às combinações de bens que fornecem determinado nível de utilidade ao indivíduo.
curva de indiferença de reserva
Curva que indica as alocações (combinações) que um indivíduo valoriza tanto quanto suas opções de reserva.
curva de Lorenz
Representação gráfica da desigualdade de alguma quantidade, como riqueza ou renda. Os indivíduos são classificados em ordem crescente de acordo com a quantidade desta grandeza, e então representa-se no gráfico a parcela acumulada do total e a parcela acumulada da população. Em caso de completa igualdade de renda, por exemplo, teríamos uma linha reta, com inclinação igual a 1. A medida da desigualdade consiste em quão abaixo desta curva de perfeita igualdade a curva de Lorenz se situa. Ver também: coeficiente de Gini.
curva de preços
Curva que fornece o salário real pago quando as firmas escolhem o preço que maximiza seus lucros.
curva de salários
Curva que indica o salário real necessário em cada nível de emprego da economia para incentivar os trabalhadores a trabalharem bem e com afinco.
custo de oportunidade
Fazer uma escolha exige abrir mão de uma alternativa. O custo de oportunidade é o benefício líquido que a alternativa descartada proporcionaria.
custo de oportunidade do capital
A quantidade de receita que um investidor poderia gerar ao investir uma unidade de capital em outro lugar.
custo econômico
Custo monetário de uma ação mais o custo de oportunidade.
custo marginal
Efeito de produzir uma unidade adicional de produto sobre o custo total de produção. Corresponde à inclinação da função de custo total em cada ponto.
custo marginal externo (CME)
Custo de produzir uma unidade adicional de um bem assumido por qualquer outra pessoa que não seja o produtor do bem. Veja também: custo marginal privado, custo marginal social.
custo marginal privado (CMP)
Custo para o produtor de produzir uma unidade adicional de um bem, sem considerar qualquer custo que sua produção imponha aos outros. Veja também: custo marginal externo, custo marginal social.
custo marginal social (CMS)
Custo de produzir uma unidade adicional de um bem, levando em consideração o custo para o produtor e os custos em que outros afetados pela produção do bem incorrem. O custo social marginal é a soma do custo marginal privado com o custo marginal externo.
custos de transação
Custos que impedem o processo de negociar ou firmar um contrato. Incluem os custos de adquirir informações sobre o bem a ser negociado, e os custos de assegurar o cumprimento de um contrato. Também conhecido como: custos de negociação.
custos fixos
Custos de produção que não variam com o número de unidades produzidas.
déficit comercial
Balança comercial negativa de um país (ele importa mais do que exporta). Veja também: superávit comercial, balança comercial.
déficit orçamentário do governo
Quando o resultado orçamentário do governo é negativo. Veja também: resultado orçamentário do governo, excedente orçamentário do governo.
déficit primário
Déficit governamental (sua receita menos sua despesa) excluindo-se o pagamento de juros sobre a dívida. Veja também: dívida pública.
deflação
Redução no nível geral de preços. Veja também: inflação.
deflator do PIB
Medida do nível de preços de produção doméstica. É a razão entre PIB nominal (ou em preços correntes) e PIB real (ou em preços constantes).
demanda agregada
Componentes de gasto na economia, somados para obter-se o PIB: Y = C + I + G + XM. Quantidade total de demanda por (ou gasto com) bens e serviços produzidos em uma economia. Veja também: consumo, investimento, gastos governamentais, exportações, importações.
demanda autônoma
Componentes de demanda agregada que são independentes da renda corrente.
democracia
Sistema político que, preferencialmente, dá igual poder político a todos os cidadãos, caracterizado por direitos individuais tais como liberdade de expressão, de associação e de imprensa. Além disso, uma democracia prevê eleições justas nas quais praticamente todos os adultos têm direito ao voto e cujo partido perdedor deixa o governo.
depreciação
Perda do valor de uma forma de riqueza, que ocorre tanto pelo uso (desgaste) quanto pela passagem do tempo (obsolescência).
deseconomia externa
Efeito negativo da produção, do consumo ou de outra decisão econômica que não foi especificado no contrato como uma responsabilidade a ser assumida. Também conhecido como custo externo. Veja também: efeitos externos.
deseconomias de escala
Ocorrem quando duplicar todos os insumos de um processo produtivo gera menos que o dobro do produto. Também conhecido como: retornos decrescentes de escala. Ver também: economias de escala
desemprego
Situação na qual uma pessoa apta e disposta a trabalhar não está empregada.
desemprego cíclico
Aumento no desemprego acima do desemprego de equilíbrio provocado por uma queda na demanda agregada associada ao ciclo econômico. Também conhecido como: desemprego por insuficiência de demanda. Veja também: desemprego em equilíbrio.
desemprego de equilíbrio
Número de pessoas em busca de emprego, mas sem trabalho, determinado pela intersecção das curvas de salário e de preços. Este é o equilíbrio de Nash do mercado de trabalho no qual nem empregadores nem trabalhadores podem melhorar sua situação se mudarem seus comportamentos. Veja também: desemprego involuntário, desemprego cíclico, curva de salário, curva de preços, taxa de desemprego, estabilizadora da inflação.
desemprego involuntário
Situação em que se está sem emprego, mas prefere-se ter um emprego com o salário e as condições de trabalho que outros trabalhadores empregados idênticos têm. Ver também: desemprego.
deslocamento (crowding out)
Há dois usos distintos do termo. Um é o efeito negativo observado quando os incentivos econômicos deslocam as motivações éticas ou de outra natureza das pessoas. Em estudos de comportamento individual, os incentivos podem ter um efeito deslocamento sobre as preferências sociais. Um segundo uso do termo se refere ao efeito de um aumento das despesas governamentais na redução de gastos privados, como se esperaria, por exemplo, em uma economia funcionando a plena capacidade de utilização ou quando uma expansão fiscal está associada a um aumento na taxa de juros.
destruição criativa
Denominação de Joseph Schumpeter para o processo pelo qual antigas tecnologias e empresas que não se adaptam são destruídas por outras, mais modernas, porque não conseguem competir no mercado. Na sua visão, o fracasso de empresas não lucrativas é algo criativo para os mercados, ao permitir que mão-de-obra e bens de capital sejam usados em novas combinações.
dilema dos prisioneiros
Jogo no qual os payoffs no equilíbrio de estratégias dominantes são menores para cada jogador e também menores no total, do que seriam no caso de nenhum dos jogadores adotar a estratégia dominante.
dilema social
Situação na qual ações praticadas de maneira independente, por indivíduos em busca de seus próprios objetivos pessoais, conduzem a um resultado inferior a outro resultado factível que poderia ter ocorrido se as pessoas tivessem agido em conjunto, e não individualmente.
diminuição do produto médio do trabalho
Situação na qual, à medida que mais mão-de-obra é utilizada em determinado processo de produção, o produto médio do trabalho normalmente cai.
direito autoral
Direito de propriedade sobre o uso e a distribuição de uma obra original.
direitos de propriedade
Proteção legal da propriedade, incluindo o direito de excluir outros de utilizá-la, de se beneficiar de seu uso ou de vender o que lhe pertence.
discriminação de preços
Estratégia de vendas na qual preços diferentes são definidos para diferentes compradores ou grupos de compradores, ou os preços variam dependendo do número de unidades compradas.
disposição a pagar (DAP)
Indicador do quanto uma pessoa valoriza um bem, medido pela quantia máxima que ele ou ela pagaria para adquirir uma unidade desse bem. Ver também: disposição a receber.
divisão de trabalho
Especialização dos produtores em diferentes tarefas do processo de produção. Também conhecido como: especialização.
dominado
Descrevemos um resultado dessa forma se pudermos obter mais de algo considerado benéfico sem ter que abrir mão de qualquer outra coisa também considerada benéfica. Em suma: um resultado é dominado se houver uma alternativa ganha-ganha — que, portanto, o supera.
dominância de Pareto
A alocação A Pareto domina a alocação B se ao menos uma das partes estiver melhor com A do que com B, e nenhuma estiver pior. Ver também: eficiência de Pareto
dívida pública
Montante total de recursos devidos pelo governo em um ponto específico no tempo.
economia evolucionária
Abordagem que estuda o processo de mudança econômica, o que inclui a inovação tecnológica, a difusão de novas normas sociais e o desenvolvimento de novas instituições.
economia externa
Efeito positivo da produção, do consumo ou de outra decisão econômica que não foi especificado no contrato como um benefício. Também conhecido como: benefício externo, externalidade positiva. Veja também: efeitos externos.
economias de escala
Ocorrem quando duplicar todos os insumos utilizados na produção gera mais que o dobro do produto. O formato da curva de custo médio de longo prazo de uma firma depende tanto dos retornos de escala na produção como do efeito de escala nos preços pagos pelos insumos. Também conhecido como: retornos crescentes de escala. Veja também: deseconomias de escala.
economias de escala em rede
Ocorrem quando um aumento no número de usuários do produto de uma firma implica no aumento do valor do produto para cada usuário, porque eles estão conectados entre si.
economias de escopo
Economia de custo gerada quando dois ou mais produtos são produzidos em conjunto por uma única firma, em vez de serem produzidos em firmas separadas.
efeito renda
Efeito que a renda adicional teria se não houvesse mudança no preço ou no custo de oportunidade. Veja também: efeito substituição.
efeito substituição
Efeito devido apenas a mudanças no preço ou custo de oportunidade, dado o novo nível de utilidade. Veja também: efeito renda.
eficiente de Pareto
Alocação com a propriedade de que não há uma alocação alternativa tecnicamente factível em que pelo menos uma pessoa estaria melhor e ninguém estaria pior.
elasticidade-preço da demanda
Variação percentual da demanda que ocorreria em resposta a um aumento de 1% no preço de um produto. Expressa sempre por um número positivo. A demanda é elástica se a elasticidade-preço for maior que 1, e inelástica se for menor que 1.
elasticidade-renda da demanda
Mudança percentual na demanda que ocorreria em resposta a um aumento de 1% na renda das pessoas.
empreendedor
Pessoa que cria ou é um dos pioneiros na adoção de novas tecnologias, formas organizacionais e outras oportunidades.
endógeno
Produzido pelos mecanismos de um modelo, e não de fora deste modelo. Veja também: exógeno.
equidade
Forma de avaliar uma alocação com base no conceito de justiça da pessoa.
equilíbrio
Resultado autossustentável de um modelo. Nesse caso, o objeto de interesse não muda a menos que se introduza uma força externa que altere a descrição da situação feita pelo modelo.
equilíbrio de estratégia dominante
Resultado de um jogo em que cada jogador joga sua estratégia dominante.
equilíbrio de Nash
Conjunto de estratégias, uma para cada jogador, em que a estratégia de cada jogador deve ser a melhor resposta às estratégias escolhidas por todos os outros.
equilíbrio do mercado de trabalho
Combinação de salário real e nível de emprego determinada pela intersecção das curvas de salário e de preços. Este é o equilíbrio de Nash do mercado de trabalho porque nem empregadores nem trabalhadores podem melhorar sua situação se mudarem seus comportamentos. Veja também: desemprego de equilíbrio, taxa de desemprego, estabilizadora da inflação.
equilíbrio estável
Estado no qual o equilíbrio tende a ser restaurado após ser interrompido por um pequeno choque.
equilíbrio instável
Estado em que, se um choque perturbar o equilíbrio, há uma tendência subsequente de deslocar-se para ainda mais longe do equilíbrio inicial.
equilíbrio no curto prazo
Equilíbrio que prevalecerá enquanto certas variáveis (por exemplo, o número de firmas em um mercado) permanecerem constantes. Entretanto, neste ponto, esperamos que essas variáveis mudem quando as pessoas tiverem tempo para reagir à situação.
equilíbrio no longo prazo
Equilíbrio atingido quando as variáveis mantidas constantes no curto prazo (por exemplo, o número de firmas em um mercado) puderem se ajustar à medida que as pessoas ganham tempo para reagir à situação.
equilíbrio no mercado de bens
Ponto em que a produção se iguala à demanda agregada para bens produzidos na economia doméstica. A economia continuará com esse nível de produção a menos que algo mude o comportamento das despesas. Veja também: demanda agregada.
escala logarítmica
Forma de medir a quantidade com base na função logarítmica, f(x) = log(x). A função logarítmica converte uma razão em uma diferença: log (a/b) = log a – log b. Isso é muito útil para trabalhar com taxas de crescimento. Por exemplo, se a renda nacional duplicar de 50 para 100 em um país pobre e de 1.000 para 2.000 em um país rico, a diferença absoluta no primeiro caso será de 50 e no segundo, de 1.000, mas log(100) – log(50) = 0,693 e log(2,000) – log(1,000) = 0,693. A razão em cada caso é 2 e log(2) = 0,693.
escassez
Bem que é valorizado, e pelo qual há um custo de oportunidade de adquirir mais.
especulação
Comprar e vender ativos a fim de lucrar com uma previsão de mudança de seus preços.
estabilizadores automáticos
Característica do sistema de impostos e transferências em uma economia que tem o efeito de compensar uma expansão ou contração da economia. Um exemplo é o sistema de auxílio desemprego.
estado desenvolvimentista
Governo que assume um papel de liderança na promoção do processo de desenvolvimento econômico através de investimentos públicos, subsídios a atividades específicas, educação e outras políticas públicas.
estoque
Bens de uma firma antes da sua venda ou uso, incluindo matérias-primas e bens parcialmente acabados ou acabados destinados a venda.
estratégia
Ação (ou alternativa de ação) que uma pessoa pode escolher adotar quando está ciente da dependência mútua dos resultados para si e para os outros, isto é: de que os resultados não dependem apenas das suas ações, mas também das ações dos outros.
estratégia dominante
Ação que produz o maior payoff para um jogador, não importa o que os outros jogadores façam.
estímulo fiscal
Uso pelo governo de política fiscal (por meio de uma combinação de cortes de impostos e aumento de gastos) com a intenção de aumentar a demanda agregada. Veja também: multiplicador fiscal, política fiscal, demanda agregada.
excedente conjunto
Soma das rendas econômicas de todos os envolvidos em uma interação. Também conhecido como: ganho totais de troca ou de comércio.
excedente do consumidor
Disposição a pagar do consumidor menos o preço pago pelo consumidor, somado-se todas as unidades compradas.
excedente do produtor
Preço ao qual a firma vende seus produtos menos o preço pelo qual a firma estaria disposta a vender o produto, somando-se todas as unidades vendidas.
excedente total
Ganhos totais de comércio obtidos por todos os envolvidos em uma interação. O excedente total é medido como a soma dos excedentes do consumidor e do produtor. Veja também: excedente conjunto.
excesso de oferta
Situação na qual a quantidade de um bem oferecido é maior do que a quantidade demandada pelo preço atual. Veja também: excesso de demanda.
excluídos do crédito
Descrição das pessoas que não conseguem tomar empréstimos em nenhuma circunstância. Veja também: restrição de crédito.
experimento natural
Estudo empírico que explora controles estatísticos que ocorrem naturalmente no qual os pesquisadores não têm a capacidade de alocar participantes para grupos de tratamento e de controle, como no caso dos experimentos convencionais. Ao invés disso, diferenças na lei, política, clima ou outros eventos podem oferecer a oportunidade de analisar as populações como se fossem parte de um experimento. A validade de tais estudos depende da premissa de que a alocação de sujeitos para grupos de controle ou de tratamento que ocorrem naturalmente é aleatória.
exportações (X)
Bens e serviços produzidos em um país específico e vendidos para famílias, firmas e governos de outros países.
externalidade
Efeito (positivo ou negativo) da produção, do consumo ou de outra decisão econômica sobre outra pessoa ou povo que não está especificado como benefício ou responsabilidade de alguma das partes no contrato. É chamado de externalidade porque o efeito em questão está fora do contrato. Também conhecido como: efeito externo. Veja também: contrato incompleto, falha de mercado, benefício externo.
exuberância irracional
Processo pelo qual os ativos se tornam supervalorizados. A expressão foi usada pela primeira vez por Alan Greenspan, presidente do Federal Reserve dos Estados Unidos em 1996. Foi popularizada como conceito econômico pelo economista Robert Schiller.
exógeno
Procedente do exterior do modelo, e não produzido pelos mecanismos do modelo em si. Veja também: endógeno.
falácia da composição
Inferência equivocada de que o que é verdadeiro para as partes (por exemplo, para uma família) deve ser verdadeiro para o todo (neste caso a economia como um todo). Veja também: paradoxo da parcimônia.
falha de mercado
Ocorre quando os mercados alocam os recursos de uma forma que não é eficiente de Pareto.
falta de vontade
Incapacidade de se comprometer com um curso de ação (fazer uma dieta ou renunciar a algum outro prazer momentâneo, por exemplo) do qual se arrependerá no futuro. Ela difere da impaciência, que também pode levar uma pessoa a favorecer prazeres no presente, mas não necessariamente agir de forma que possa se arrepender.
fatores de produção
Mão de obra, máquinas e equipamentos (geralmente chamados de “capital”), terra e outros insumos de um processo produtivo.
feedback negativo (processo)
Processo pelo qual algumas mudanças iniciais põem em movimento um processo que atenua a mudança inicial. Veja também: feedback positivo (processo)
feedback positivo (processo)
Processo pelo qual algumas mudanças iniciais dão início a um processo que intensifica a mudança inicial. Veja também: feedback negativo (processo)
financiamento imobiliário
Empréstimo contraído por famílias e empresas para adquirir uma propriedade sem pagar o valor total de uma só vez. Ao longo de um período de muitos anos, o devedor paga o empréstimo com juros. O pagamento da dívida é assegurado pela própria propriedade, denominada garantia. Veja também: garantia.
firma
Organização econômica na qual agentes privados proprietários de bens de capital contratam e administram trabalhadores para produzir bens e serviços, que serão vendidos no mercado com o objetivo de obter lucro. Também conhecido como: empresa.
firma cooperativa
Firma cuja propriedade é parcial ou totalmente detida pelos seus trabalhadores, que contratam e demitem os administradores.
fluxo
Uma quantidade mensurada por unidade de tempo, tal como renda anual ou salário por hora.
força de trabalho
Número de pessoas da população em idade ativa que trabalham, ou desejam trabalhar, fora do domicílio. Podem estar empregadas (inclusive como autônomas) ou desempregadas. Veja também: taxa de desemprego, taxa de emprego, taxa de participação.
fronteira de possibilidades
Curva que une os pontos que definem a máxima quantidade factível de um bem para dada quantidade de outro. Ver também: conjunto de possibilidades.
função côncava
Função de duas variáveis cujo segmento de reta entre dois pontos quaisquer se situa inteiramente abaixo da curva que representa a função (sendo a função convexa quando o segmento de reta se localiza acima da curva da função).
função de consumo (agregado)
Equação que mostra como o gasto de consumo na economia como um todo depende de outras variáveis. Por exemplo, no modelo do multiplicador, as outras variáveis são a renda disponível corrente e o consumo autônomo. Veja também: renda disponível, consumo autônomo.
função de investimento (agregado)
Equação que mostra como as despesas de investimento na economia como um todo dependem de outras variáveis, mais especificamente, da taxa de juros e das expectativas de lucros. Veja também: taxa de juros, lucro.
função de melhor resposta do trabalhador (ao salário)
Quantidade ótima de trabalho que um trabalhador escolhe realizar para cada salário que o empregador lhe oferece.
função de produção
Expressão gráfica ou matemática que descreve a quantidade de produto que pode ser gerado com qualquer quantia ou combinação de insumo(s). A função descreve diferentes tecnologias capazes de produzir a mesma coisa.
ganhos de troca
Benefícios que cada parte obtém em uma transação em comparação a como teriam se saído sem a troca. Também chamado de: ganhos de comércio. Ver também: renda econômica.
gastos governamentais (G)
Gastos do governo para comprar bens e serviços. Quando usado como componente de demanda agregada, ele não inclui os gastos em transferências tais como pensões e auxílio desemprego. Veja também: transferências do governo.
Grande Depressão
Período de intensa queda na produção e no emprego em muitos países nos anos 1930.
grande moderação
Período de baixa volatilidade na produção agregada em economias avançadas entre os anos 1980 e a crise financeira de 2008. O nome foi sugerido pelos economistas James Stock e Mark Watson, e se popularizou com Ben Bernanke, então presidente do Federal Reserve.
grandes demais para fracassar
Diz-se que é uma característica dos grandes bancos, cuja importância central na economia garante que serão salvos pelo governo se estiverem em dificuldades financeiras. Portanto, o banco não arca com todos os custos de suas atividades e, assim, é provável que corra riscos maiores. Também conhecido como: too big to fail. Veja também: risco moral.
hipoteca (ou financiamento imobiliário)
Empréstimo contratado por famílias e empresas para comprar uma propriedade sem pagar o valor total imediatamente. Ao longo de muitos anos, o tomador paga o empréstimo, com juros. A dívida é garantida pela própria propriedade, denominada colateral. Veja também: colateral.
impaciência pura
Característica de uma pessoa que valoriza uma unidade adicional de consumo agora em detrimento de ter uma unidade adicional no futuro, quando a quantidade de consumo é a mesma no presente e no futuro. Surge quando uma pessoa está impaciente para consumir mais agora porque dá menos valor ao consumo futuro, por miopia, fraqueza de vontade ou outras razões.
importações (M)
Bens e serviços produzidos em outros países e comprados por famílias, firmas e governos domésticos.
imposto pigouviano
Imposto que incide sobre atividades que geram externalidades negativas para corrigir um resultado de mercado ineficiente. Veja também: efeitos externos, subsídio pigouviano.
incentivo
Recompensa ou punição econômica que influencia os benefícios e os custos de cursos alternativos de ação.
inflação
Aumento no nível geral de preços na economia. Normalmente medido ao longo de um ano. Veja também: deflação, desinflação.
informação assimétrica
Informação relevante para todos os participantes em uma interação econômica, que é conhecida por algumas partes envolvidas, mas não por outras. Veja também: seleção adversa, risco moral.
informação verificável
Informação que pode ser usada para garantir o cumprimento de um contrato.
insolvente
Uma entidade é insolvente se o valor dos seus ativos for menor do que o valor de seus passivos. Veja também: solvente.
instituição
Leis e costumes sociais que regulam a maneira como as pessoas interagem entre si e com a biosfera. Uma expressão comum refere-se às instituições como “regras do jogo”.
interação estratégica
Interação social na qual os participantes estão cientes das formas pelas quais suas ações afetam os outros (e das formas pelas quais as ações dos outros os afetam).
interações sociais
Situações em que as ações realizadas por uma pessoa afetam os resultados das outras e também os dela própria.
investimento (I)
Gastos em bens de capital recém produzidos (máquinas e equipamentos) e edificações, incluindo novas residências.
jogo
Modelo de interação estratégica que descreve os jogadores, as estratégias factíveis, as informações que os jogadores têm e suas possíveis recompensas. Veja também: teoria dos jogos.
jogo de coordenação
Jogo no qual existem dois equilíbrios de Nash, dos quais um pode ser Pareto superior ao outro. Também conhecido como: jogo da garantia.
jogo de soma zero
Jogo no qual os ganhos e as perdas de payoff de todos os indivíduos somam zero para qualquer combinação de estratégias que eles venham a adotar.
jogo sequencial
Jogo no qual os jogadores não escolhem suas estratégias ao mesmo tempo, e os jogadores que as escolhem mais tarde podem ver as estratégias já escolhidas por quem jogou primeiro. É o caso, por exemplo, do jogo do ultimato. Ver também: jogo simultâneo.
jogo simultâneo
Jogo no qual os jogadores escolhem estratégias simultaneamente, como é o caso, por exemplo, do dilema dos prisioneiros. Ver também: jogo sequencial.
lado curto (de um mercado)
Lado (de oferta ou de demanda) em que o número de transações desejadas é menor (por exemplo, empregadores estão no lado curto do mercado de trabalho porque geralmente há mais trabalhadores em busca de emprego do que empregos disponíveis). O oposto do lado curto é o lado longo de um mercado. Veja também: lado da oferta, lado da demanda.
lado da demanda
Lado de um mercado no qual os participantes estão oferecendo dinheiro em troca de algum outro bem ou serviço (por exemplo, aqueles que desejam comprar pão). Veja também: lado da oferta.
lado da demanda (economia agregada)
Como as decisões de gastos geram demanda por bens e serviços e, por consequência, emprego e produção. Utiliza o modelo do multiplicador. Veja também: lado da oferta (economia agregada).
lado da demanda (multiplicador)
lado da oferta
Lado de um mercado no qual os participantes estão oferecendo algo em troca de dinheiro (por exemplo, aqueles que vendem pão). Veja também: lado da demanda.
lado da oferta (economia agregada)
Como o trabalho e o capital são usados para produzir bens e serviços. Utiliza o modelo do mercado de trabalho (também conhecido como modelo da curva de determinação de salários e curva de determinação de preços). Veja também: lado da demanda (economia agregada.
Lei de Okun
Regularidade empírica em que o crescimento do PIB é negativamente correlacionado com a taxa de desemprego. Veja também: Coeficiente de Okun.
lei do preço único
É válida quando um bem é comercializado por todos os compradores e vendedores ao mesmo preço. Se um bem fosse vendido a preços diferentes em diferentes locais, um comerciante poderia comprá-lo a um preço baixo em um local e vendê-lo a um preço mais alto em outro. Veja também: arbitragem.
linha de isocusto
Uma linha que representa todas as combinações que custam determinado valor total. Também conhecido como: isocusto.
linha de regressão linear
Linha que melhor se ajusta a um conjunto de dados.
liquidez
Facilidade de comprar ou vender um ativo financeiro a um preço previsível.
livro de ofertas
Registro de ordens limitadas feitas por compradores ou vendedores, mas ainda não atendidas.
longo prazo (modelo)
O termo não se refere a um período de tempo, mas ao que é exógeno. A curva de custo de longo prazo, por exemplo, refere-se aos custos quando a firma pode ajustar completamente todos os insumos incluindo seus bens de capital, mas a tecnologia e as instituições econômicas são exógenas. Veja também: tecnologia, instituições, curto prazo (modelo), médio prazo (modelo).
lucro econômico
Receita da firma menos seus custos totais (incluindo o custo de oportunidade do capital).
lucros normais
Correspondem a lucro econômico igual a zero, o que significa que a taxa de lucro é igual ao custo de oportunidade do capital. Ver também: lucro econômico, custo de oportunidade do capital.
males públicos
Equivalente negativo de um bem público. É não rival no sentido de que o consumo de um mal público por um indivíduo não reduz o consumo de outros.
margem de lucro
Diferença entre o preço e o custo marginal.
markup
É o preço menos o custo marginal dividido pelo preço. É inversamente proporcional à elasticidade da demanda pelo bem.
médio prazo (modelo)
O termo não se refere a um período de tempo, mas ao que é exógeno. Nesse caso, estoque de capital, tecnologia e instituições são exógenos. Produção, emprego, preços e salários são endógenos. Veja também: bens de capital, tecnologia, instituições, curto prazo (modelo), longo prazo (modelo).
melhoria de Pareto
Mudança que beneficia pelo menos uma pessoa sem deixar ninguém em situação pior. Ver também: dominância de Pareto.
melhor resposta
Em teoria dos jogos, esta é a estratégia que dará o maior payoff a um jogador dadas as estratégias que os outros jogadores adotarem.
mercado
Forma de pessoas realizarem trocas de bens e serviços de modo diretamente recíproco e frequentemente impessoal (ao contrário do que ocorre ao fazer doações ou em transferências entre amigos ou familiares), com participação voluntária visando benefícios mútuos (diferentemente de roubo ou taxação).
mercado ausente
Mercado no qual existe algum tipo de troca que, se implementado, seria mutuamente benéfico. A implementação não ocorre devido a informações assimétricas ou não verificáveis.
mercado de trabalho
Neste mercado, os empregadores oferecem salários a indivíduos que poderão concordar em trabalhar sob sua direção. Os economistas dizem que os empregadores representam o lado da demanda do mercado de trabalho e os trabalhadores, o lado da oferta. Veja também: força de trabalho.
mercados primário e secundário
O mercado primário é aquele em que bens e ativos financeiros são vendidos pela primeira vez. Por exemplo, a venda inicial das ações de uma empresa ao investidor (conhecida como oferta pública inicial ou IPO, na sigla em inglês) está no mercado primário. A subsequente negociação dessas ações na bolsa de valores está no mercado secundário. Os termos também são usados para descrever a venda inicial de tickets (mercado primário), e o mercado secundário no qual são negociados.
modelo de esforço de trabalho
Modelo que explica como os empregadores definem os salários de tal forma que os empregados recebam uma renda econômica (chamada de renda do emprego) que lhes forneça um incentivo para trabalhar com afinco, e assim evitem o fim do contrato de trabalho. Ver também: renda do emprego, salário de eficiência.
modelo do multiplicador
Um modelo de demanda agregada que inclui o processo multiplicador. Veja também: multiplicador fiscal, processo multiplicador.
moeda
Moeda é algo que facilita as trocas (o que é chamado de meio de troca), e consiste em notas, depósitos bancários ou qualquer outra coisa que possa ser usada para adquirir bens e serviços, e que geralmente é aceita como pagamento porque outras pessoas podem usá-la com a mesma finalidade. Esse ”porque” é importante e diferencia transações facilitadas por dinheiro de simples trocas, nas quais os bens são permutados diretamente sem que dinheiro troque de mãos.
monopólio
Empresa que é a única vendedora de um produto sem substitutos similares. Também se refere a um mercado com apenas um vendedor. Ver também: poder de monopólio, monopólio natural.
monopólio natural
Processo produtivo no qual a curva de custo médio de longo prazo é inclinada para baixo o suficiente para tornar impossível que outras firmas mantenham a concorrência nesse mercado.
negociação de momentum
Estratégia de negociação de ações com base na ideia de que uma nova informação não é incorporada instantaneamente aos preços, então os preços apresentam uma correlação positiva ao longo de curtos períodos. Também conhecido como: trade momentum.
norma social
Entendimento comum à maioria dos membros de uma sociedade a respeito do que as pessoas devem fazer quando suas ações afetam os outros em determinada situação.
nível de subsistência
O nível de padrão de vida (mensurado pelo consumo ou pela renda) para o qual a população não cresce nem se reduz.
objetivo de riqueza
Nível de riqueza que uma família procura ter, com base nos seus objetivos (ou preferências) econômicos e expectativas. Assumimos que as famílias tentam manter, enquanto puderem, este nível de riqueza face a mudanças em sua situação econômica.
oferta mínima aceitável
No jogo de ultimato, é a menor oferta do Proponente que o Respondente não rejeitará. Geralmente é aplicada em situações de negociação para se referir à oferta menos favorável que seria aceita.
oligopólio
Mercado com um número pequeno de vendedores, o que dá algum poder de mercado a cada vendedor.
opção de reserva
Dentre todas as opções de ação disponíveis para alguém, a opção de reserva é a melhor alternativa subsequente a uma determinada escolha. Também conhecida como: opção de recuo. Veja também: preço de reserva.
ordem limitada
Combinação anunciada de preço e quantidade de um ativo, para venda ou para compra. Também conhecido como: preço limite.
paradoxo da parcimônia
Se um único indivíduo consumir menos, sua poupança aumentará, mas se todo mundo consumir menos, o resultado poderá ser uma poupança geral menor e não maior. A tentativa de aumentar a poupança é frustrada se o aumento na taxa de poupança não for acompanhado pelo aumento no investimento (ou outra fonte de demanda agregada como despesas governamentais sobre bens e serviços). O resultado é uma redução na demanda agregada e uma menor produção de modo que os níveis efetivos de poupança não aumentam.
paridade de poder de compra (PPC)
Correção estatística que permite comparar a quantidade de bens que pode ser adquirida com diferentes moedas em diferentes países. Veja também: preços constantes.
participação
Investimento próprio de um indivíduo em um projeto. É registrado como patrimônio líquido nos balanços patrimoniais de pessoas ou firmas. Veja também: patrimônio líquido.
passivo
Qualquer coisa de valor que se deva. Veja também: balanço, ativo.
patente
Direito à propriedade exclusiva de uma ideia ou invenção, que dura um período específico de tempo. Esse período permite que o proprietário de fato seja um monopolista ou um usuário exclusivo.
patrimônio líquido
Ativos menos passivos. Veja também: balanço, capital próprio.
payoff
Benefício de cada jogador associado às ações conjuntas de todos os jogadores.
peso-morto
Perda de excedente total relativa a uma alocação eficiente de Pareto.
pesquisa e desenvolvimento
Despesas de uma entidade pública ou privada com a criação de novos métodos de produção, de novos produtos, ou de qualquer outro conhecimento economicamente relevante.
(pessoas com) restrição de crédito
Condição das pessoas que só conseguem tomar empréstimos em circunstâncias desfavoráveis. Veja também: excluídos do crédito.
poder
Capacidade de fazer (e de obter) as coisas que se deseja em oposição às intenções dos outros, normalmente ao impor ou ameaçar impor sanções.
poder de barganha
Grau de vantagem que uma pessoa tem para assegurar uma maior parte das rendas econômicas possibilitadas por uma interação.
poder de mercado
Característica de uma firma que pode vender seu produto por um intervalo de preços factíveis, de modo que pode se beneficiar ao agir como formadora de preço (em vez de tomadora de preço).
política fiscal
Mudanças em impostos ou gastos governamentais para estabilizar a economia. Veja também: estímulo fiscal, multiplicador fiscal, demanda agregada.
política monetária
Ações do banco central (ou do governo) com o propósito de influenciar a atividade econômica mudando a taxa de juros ou os preços de ativos financeiros. Veja também: quantitative easing. Também conhecido como: relaxamento quantitativo, afrouxamento quantitativo, flexibilização quantitativa.
políticas de concorrência
Políticas governamentais e leis que visam limitar o poder de monopólio e evitar a formação de cartéis. Também conhecida como: políticas antitruste.
população em idade ativa
Convenção estatística que, em muitos países, se refere a todas as pessoas com idade entre 15 e 64 anos.
população inativa
Pessoas da população em idade produtiva que não estão empregadas nem procurando por emprego remunerado ativamente. Aquelas pessoas que trabalham em casa cuidando dos filhos, por exemplo, não são consideradas parte da força de trabalho e, portanto, são classificadas dessa forma.
poupança
Ocorre quando a despesa de consumo é menor do que a renda líquida, o que aumenta a riqueza. Veja também: riqueza.
poupança precaucional
Aumento na poupança para restabelecer a riqueza ao seu nível desejado. Veja também: objetivo de riqueza.
preço relativo
O preço de um bem ou serviço em relação a outro bem. Geralmente, é expresso por uma razão.
preços constantes
Preços corrigidos por aumentos nos preços (inflação) ou decréscimos nos preços (deflação) para que uma unidade monetária represente o mesmo poder de compra em diferentes períodos de tempo. Veja também: paridade de poder de compra.
preferência
Descrição do benefício ou custo associado a cada resultado possível.
preferência revelada
Forma de estudar preferências pela reversão do procedimento convencional, isto é, inferindo os motivos de um indivíduo (suas preferências) a partir da observação de suas ações.
preferências sociais
Preferências que dão valor ao que acontece com outras pessoas e a agir moralmente mesmo que isso resulte em menores recompensas para o indivíduo.
problema de escolha sob restrição
Problema relativo a como fazer o melhor para nós mesmos, dadas nossas preferências e restrições, quando as coisas que valorizamos são escassas. Veja também: problema de otimização com restrição.
problema de otimização com restrição
Problema em que um tomador de decisão escolhe os valores de uma ou mais variáveis para atingir um objetivo (por exemplo, maximizar lucro) sujeito a uma restrição que determina o conjunto de possibilidades (a curva de demanda, por exemplo, pode restringir a maximização de lucro).
processo multiplicador
Mecanismo por meio do qual os efeitos direto e indireto de uma mudança no gasto autônomo afetam a produção agregada. Veja também: multiplicador fiscal, modelo do multiplicador.
produção agregada
Produção total em uma economia, de todos os setores e regiões.
produtividade do trabalho
Produção total dividida pelo número de horas ou por alguma outra medida do fator de produção trabalho.
produto diferenciado
Produto produzido por uma empresa e que, comparado a produtos similares de outras empresas, tem características únicas.
produto interno bruto (PIB)
Medida do valor de mercado da produção de bens e serviços finais na economia em um dado período. O produto dos bens intermediários, que são insumos na produção de bens finais, é excluído para evitar dupla contagem.
produto marginal
Quantidade adicional de produto obtida ao aumentar a quantidade de um fator de produção específico em uma unidade, mantendo constantes as quantidades de todos os outros fatores.
produto médio
Produto total dividido por um fator de produção específico, por exemplo, por trabalhador (dividindo o produto total pelo número de trabalhadores) ou por trabalhador por hora (dividindo o produto total pelo número total de horas de trabalho empregadas).
progresso tecnológico
Mudança tecnológica que reduz a quantidade de recursos (mão de obra, máquinas, terra, energia, tempo) necessários para produzir determinada quantidade de produto.
propensão marginal a consumir (PMC)
Mudança no consumo quando a renda disponível se altera em uma unidade.
propensão marginal a importar
Mudança nas importações totais associada a alterações na renda total.
propriedade
É o direito, garantido ao proprietário, de vender, de usar ou de não permitir que terceiros usem o que lhe pertence. Veja também: propriedade privada, direito à propriedade.
propriedade privada
Algo é uma propriedade privada se a pessoa que a possui tem o direito de excluir outros de utilizá-la, de se beneficiar do seu uso e de compartilhá-la com outras pessoas.
racionamento de crédito
Processo pelo qual aqueles que possuem menos riqueza tomam empréstimos em condições menos favoráveis em comparação com os que têm mais riquezas.
razão de alavancagem (para bancos e famílias)
Valor dos ativos dividido pelo capital próprio investido nesses ativos.
receita marginal
Aumento de receita ao aumentar a quantidade produzida de Q para Q+1.
recessão
O Bureau Nacional de Pesquisa Econômica (NBER, na sigla em inglês) dos EUA a define como um período em que a produção está em declínio. Ela termina quando a economia começa a crescer novamente. Uma definição alternativa é o período em que o nível de produção está abaixo do seu nível normal, mesmo se a economia estiver crescendo. Ela não acaba até que a produção tenha crescido o suficiente para voltar ao normal. A última definição é problemática porque nível ‘normal’ é algo subjetivo.
reciprocidade
Preferência por ser bondoso ou por ajudar aqueles que são bondosos e prestativos, recusando-se a ajudar e a ser bondoso com aqueles que não são prestativos ou bondosos.
recursos comuns
Bem rival que uma pessoa não pode evitar que outras desfrutem. Também conhecido como: recursos de propriedade comum.
relação principal-agente
Esse relacionamento existe quando uma parte (o principal) gostaria que a outra (o agente) agisse de certa forma ou tivesse algum atributo de interesse do principal cujo cumprimento não pode ser exigido ou garantido por um contrato vinculante. Ver também: contrato incompleto. Também conhecido como: problema principal-agente.
renda
Quantidade de lucros, juros, aluguéis, rendas do trabalho e outros pagamentos (inclusive transferências do governo) restante após o pagamento de impostos, medida ao longo de um período de tempo como um ano. É o valor máximo que você pode consumir e manter sua riqueza inalterada. Também conhecido como: renda disponível. Veja também: renda bruta.
renda de desequilíbrio
Renda econômica que surge quando um mercado não está em equilíbrio, por exemplo, quando há excesso de demanda ou de oferta em um mercado de algum bem ou serviço. Por outro lado, rendas que surgem em equilíbrio são chamadas de rendas de equilíbrio.
renda de equilíbrio
Renda de um mercado que está em equilíbrio. Também conhecida como: renda estacionária ou persistente.
renda disponível
Renda disponível após o pagamento de impostos e o recebimento de transferências do governo.
renda do emprego
Renda econômica que um trabalhador recebe quando o valor líquido do seu emprego excede o valor líquido de sua melhor alternativa subsequente (isto é, estar desempregado). Também conhecida como: custo de perder o emprego.
renda econômica
Pagamento ou outro benefício recebido acima ou além do que o indivíduo receberia ao optar por sua segunda melhor alternativa (ou opção de reserva). Veja também: opção de reserva.
renda líquida
Renda bruta menos a depreciação. Veja também: renda, renda bruta, depreciação.
rendas de inovação
Lucros, superiores ao custo de oportunidade do capital, que um inovador aufere ao introduzir uma nova tecnologia, forma organizacional ou estratégia de marketing. Também conhecido como: rendas schumpeterianas.
rendas de monopólio
Forma de lucro econômico que surge devido à competição restrita na venda do produto de uma firma. Ver também: lucros econômicos.
rendimento da dívida pública
Taxa de retorno implícita que o comprador obtém sobre seu dinheiro quando compra um título da dívida pública a preço de mercado.
rendimentos
Salários, fixos ou por hora e outras rendas do trabalho.
rendimentos decrescentes
Situação na qual o emprego de uma unidade adicional de um fator de produção resulta em um aumento menor na quantidade produzida do que o aumento anterior. Também conhecido como: retornos decrescentes, retornos marginais decrescentes, retornos marginais decrescentes na produção.
requerente residual
Pessoa que recebe a renda remanescente de uma empresa ou outro projeto após o pagamento de todos os custos contratuais (por exemplo, do custo de contratar trabalhadores e pagar impostos).
restrição orçamentária
Equação que representa todas as combinações de bens e serviços que se pode adquirir ao utilizar todos os recursos orçamentários disponíveis.
resultado orçamentário do governo
Diferença entre receita de impostos governamentais e despesas governamentais (incluindo as compras do governo de bens e serviços, gastos de investimento e despesas com transferências tais como pensões e auxílio desemprego. Veja também: déficit orçamentário do governo, superávit orçamentário do governo.
retornos constantes de escala
Ocorrem quando duplicar todos os insumos de um processo produtivo dobra o produto. O formato da curva de custo médio de longo prazo de uma firma depende tanto dos retornos de escala na produção como do efeito de escala nos preços pagos pelos insumos. Ver também: retornos crescentes de escala, retornos decrescentes de escala.
retornos marginais decrescentes de consumo
O valor que um indivíduo atribui a uma unidade adicional de consumo decresce quanto mais o indivíduo consome. Também conhecido como: redução da utilidade marginal.
revolução capitalista
Rápido aperfeiçoamento da tecnologia paralelo à emergência de um novo sistema econômico.
Revolução Industrial
Onda de avanços tecnológicos e mudanças organizacionais iniciada na Grã-Bretanha, no século XVIII, que transformou uma economia agrária e artesanal em uma economia industrial e comercial.
riqueza
Estoque de coisas que se possui ou o valor deste estoque. Inclui o valor de mercado de uma casa ou de um carro, de qualquer terreno, construção, maquinário ou outros bens de capital que alguém possa ter, e quaisquer ativos financeiros como ações e títulos. As dívidas – por exemplo, um financiamento que se deve a um banco – são subtraídas. As dívidas que serão recebidas de outras pessoas são somadas.
risco de expropriação
Probabilidade de que um ativo seja tomado do seu proprietário pelo governo ou por algum outro ator.
risco de inadimplência
Risco de que o crédito fornecido como empréstimo não será pago.
risco de liquidez
Risco de que um ativo não possa ser trocado por dinheiro rápido o suficiente para evitar uma perda financeira.
risco idiossincrático
Risco que afeta apenas um pequeno número de ativos de uma vez. Os investidores podem praticamente eliminar sua exposição a tais riscos adquirindo uma carteira diversificada de ativos afetados por diferentes níveis de risco. Também conhecido como: risco diversificável ou mitigável.
risco moral
Esse termo se originou na indústria de seguros para expressar o problema que as seguradoras enfrentam, qual seja, a pessoa com seguro residencial pode tomar menos cuidado para evitar incêndios ou outros danos a sua casa, aumentando, assim, o risco para além do que correria se não tivesse seguro. O termo agora se refere a qualquer situação em que uma parte de uma interação está decidindo sobre uma ação que afeta os lucros ou o bem-estar da outra, mas que a parte afetada não pode controlar por meio de um contrato, em geral porque a parte afetada não tem informações adequadas sobre a ação. Também é denominado problema de ‘ações ocultas’. Veja também: ações ocultas (problema das), contrato incompleto, grande demais para quebrar (too big to fail).
risco sistemático
Risco que afeta todos os ativos do mercado, de modo que não é possível que os investidores reduzam sua exposição ao risco adquirindo uma combinação de diferentes ativos. Também conhecido como: risco não diversificável ou não mitigável.
risco sistêmico
Risco que ameaça o próprio sistema financeiro.
salário de eficiência
Pagamento realizado pelo empregador, que supera o salário de reserva do empregado, de modo a motivá-lo a dedicar mais esforço ao trabalho do que geralmente escolheria realizar. Ver também: modelo de esforço de trabalho, renda do emprego.
salário de reserva
O que um empregado receberia em um emprego alternativo, ou como auxílio-desemprego ou algum outro benefício, se ele ou ela não estivesse trabalhando em seu atual emprego.
salário nominal
Valor efetivamente recebido como pagamento por trabalho em uma moeda específica. Também conhecido como: salário em dinheiro. Veja também: salário real.
salário por peça
É um tipo de emprego em que o trabalhador recebe um montante fixo por unidade de produto fabricado.
salário real
É o salário nominal após ser ajustado para considerar as mudanças nos preços entre diferentes períodos de tempo. O salário real mede a quantidade de bens e serviços que o trabalhador pode comprar. Ver também: salário nominal.
seleção adversa
Problema que as partes de uma troca enfrentam quando os termos oferecidos por uma das partes irão levar outras a desistirem da troca. Um exemplo é o problema de informação assimétrica nos seguros: se o preço for suficientemente alto, as únicas pessoas que irão comprar seguro médico são aquelas que sabem que estão doentes (mas o segurador não sabe). Isso irá levar a mais aumentos de preços para cobrir os custos. Também conhecido como problema das ”características ocultas” (o assegurado já estar doente é a característica oculta), termo que o distingue do problema de risco moral das ”ações ocultas”. Veja também: contrato incompleto, risco moral, informação assimétrica.
separação entre propriedade e controle
Característica de algumas firmas, nas quais os administradores são um grupo distinto dos proprietários.
sindicato
Organização que consiste predominantemente de empregados, cujas principais atividades incluem a negociação de salários e de condições de trabalho para seus membros.
sistema econômico
Forma de organizar a economia que se distingue por suas instituições essenciais. Sistemas econômicos do passado e do presente incluem: planejamento econômico central (caso da União Soviética no século XX), feudalismo (ocorrido na maior parte da Europa durante os primeiros séculos da Idade Média), economia escravagista (sistema de plantation, mantido no sul dos Estados Unidos, no Brasil e nos países caribenhos até a abolição da escravidão no século XIX) e capitalismo (vigente na maior parte das economias atuais).
sistema político
Um sistema político determina como os governos serão escolhidos e, uma vez no poder, como tomarão e implementarão decisões que afetam todos ou a maioria dos membros de uma população.
superávit comercial
Balança comercial positiva de um país (ele exporta mais do que importa). Veja também: déficit comercial, balança comercial.
superávit orçamentário do governo
Quando o resultado orçamentário do governo é positivo. Veja também: resultado orçamentário do governo, déficit orçamentário do governo.
tangência
Ocorre quando duas curvas compartilham um ponto em comum mas não se cruzam. A reta tangente a uma curva em determinado ponto é uma linha que toca a curva nesse ponto sem cruzá-la.
taxa (básica) de juros
Taxa de juros estabelecida pelo banco central, que se aplica aos bancos que tomam empréstimos de base monetária um do outro e do banco central. Também conhecida como: taxa oficial de juros. Veja também: taxa de juros real, taxa de juros nominal.
taxa de câmbio
Número de unidades de moeda local que pode ser trocado por uma unidade de moeda estrangeira. Por exemplo, o número de dólares australianos (AUD) necessários para comprar um dólar americano (USD) é definido como o número de AUD por USD. Um aumento nesta taxa é uma depreciação do AUD e uma redução é uma apreciação de AUD.
taxa de capitalização do mercado
Taxa de retorno alta o suficiente para induzir os investidores a adquirirem ações de uma empresa específica. Será alta se a companhia estiver sujeita a um alto nível de risco sistemático.
taxa de desemprego
Razão entre o número de desempregados e a força de trabalho total. (Observe que a taxa de emprego e a taxa de desemprego não somam 100%, pois têm denominadores diferentes.) Veja também: força de trabalho, taxa de emprego.
taxa de emprego
Razão entre o número de empregados e a população em idade ativa. Veja também: população em idade ativa.
taxa de empréstimo (bancário)
Taxa de juros média cobrada de firmas e famílias pelos bancos comerciais. Normalmente é superior à taxa básica de juros: a diferença entre essas taxas é a margem de lucro ou spread dos empréstimos comerciais. Também conhecida como: taxa de juros bancária, taxa de juros de mercado. Veja também: taxa de juros, taxa básica de juros.
taxa de juros
Preço de antecipar poder de compra no tempo. Também conhecido como: taxa de juros nominal. Veja também: taxa de juros real.
taxa de juros (curto prazo)
Preço de tomar emprestado da base monetária.
taxa de participação
Razão entre o número de pessoas na força de trabalho em relação à população em idade ativa. Veja também: força de trabalho, população em idade ativa.
taxa de utilização da capacidade
Medida do grau que uma firma, indústria ou economia como um todo está produzindo frente àquilo que seu estoque de bens de capital e conhecimento disponível permitiriam.
taxa marginal de substituição (TMS)
Trata-se do trade-off que uma pessoa está disposta a enfrentar quando deve escolher entre dois bens. Em qualquer ponto, essa é a inclinação da curva de indiferença. Veja também: taxa marginal de transformação.
taxa marginal de transformação (TMT)
Quantidade de um bem que deve ser sacrificada para adquirir uma unidade adicional de outro bem. Em qualquer ponto, é a inclinação da fronteira de possibilidades. Veja também: taxa marginal de substituição.
tecnicamente factível
Alocação dentro dos limites estabelecidos pela tecnologia e pela biologia.
tecnologia
Descrição de um processo que emprega um conjunto de materiais e outros insumos, incluindo trabalho humano e máquinas, para criar um produto.
tecnologias de uso geral
Avanços tecnológicos que podem ser aplicados em muitos setores e que geram outras inovações. A tecnologia da informação e comunicação (TIC) e a eletricidade são dois exemplos comuns.
teoria dos jogos
Área da matemática que estuda interações estratégicas, isto é, situações em que cada agente sabe que os benefícios que recebe dependem das ações escolhidas por todos. Ver também: jogo.
terceirização
Realocação de parte das atividades de uma empresa para fora das fronteiras nacionais nas quais opera. Pode ocorrer dentro de uma empresa multinacional ou envolver a realocação de seu processo produtivo para outras empresas. Também conhecida como: outsourcing.
teto de aluguéis
Máximo valor legal que pode ser cobrado por um aluguel.
trabalho assalariado
Sistema no qual os produtores são pagos pelo tempo que trabalham para os seus empregadores.
transferências do governo
Gastos dos governos na forma de pagamento a famílias ou pessoas. Auxílio desemprego e pensões são alguns exemplos. As transferências não incluem gastos governamentais (G) nas contas nacionais. Veja também: gastos governamentais (G).
transformação de vencimentos
Prática de tomar dinheiro emprestado a curto prazo e emprestar a longo prazo. Por exemplo, um banco aceita depósitos, que promete devolver a curto prazo ou sem aviso prévio assim que solicitado, e faz empréstimos de longo prazo (que podem ser pagos ao longo de muitos anos). Também conhecido como: alteração de liquidez.
títulos privados
Tipo de ativo financeiro pelo qual o emissor se compromete a pagar dada quantia ao portador ao longo do tempo. Também conhecido como: títulos corporativos, debêntures.
títulos públicos
Instrumento financeiro emitido pelo governo que promete pagar fluxos de dinheiro a intervalos específicos.
utilidade
Indicador numérico do valor que alguém atribui a um resultado, de tal forma que os resultados de maior valor serão escolhidos em detrimento dos de menor valor quando ambos estiverem disponíveis.
valor adicionado
No processo produtivo, este é o valor da produção menos o valor de todos os insumos (chamados de bens intermediários). Os bens de capital e a força de trabalho usados na produção não são bens intermediários. O valor adicionado é igual aos lucros antes dos impostos mais os salários.
valor fundamental da ação
Preço da ação com base nos lucros futuros previstos e no nível de risco.
valor presente
Valor hoje de um fluxo de renda futura ou outro benefício, quando é descontado usando uma taxa de juros ou a taxa de desconto da própria pessoa. Veja também: valor presente líquido.
vantagem absoluta
Uma pessoa ou um país tem vantagem absoluta na produção de um bem quando a quantidade de insumos que emprega para produzi-lo é menor do que a quantidade empregada por outro país ou outra pessoa. Veja também: vantagem comparativa.
vantagem comparativa
Uma pessoa ou um país tem vantagem comparativa na produção de determinado bem se o custo de produzir uma unidade adicional desse bem em relação a produzir outro bem for menor do que o custo de outra pessoa ou país para produzir esses dois bens. Veja também: vantagem absoluta.
variável de estoque
Quantidade medida em determinado momento no tempo. Suas unidades não dependem do tempo. Veja também: fluxo.
variável de fluxo
Quantidade medida por unidade de tempo, tal como a renda anual ou o salário por hora.
venda a descoberto
Venda de um ativo por parte de quem o tomou emprestado, com a intenção de comprá-lo de volta a um menor preço. Essa estratégia é adotada por investidores que esperam a queda do valor de um ativo. Também conhecido como: shorting, short selling.
índice
Medida que compara a quantidade de algo em um período de tempo à quantidade da mesma coisa em um período de tempo diferente, chamado de “período de referência” ou “período-base”. É comum determinar que o índice assume o valor de 100 no período de referência.
índice de preços ao consumidor (IPC)
Medida do nível geral de preços que os consumidores têm que pagar por bens e serviços, incluindo impostos sobre o consumo.